Christian Bayon

Nasceu em Paris, em 1955

Oriundo de uma família que não tinha qualquer relação com a música, entrou na Marinha francesa aos 16 anos, onde permaneceu seis anos, trabalhando como técnico dos sistemas hidráulicos dos aviões de caça, embarcado no porta-aviões Foch.

Em 1976, ainda militar, descobriu a luteria como autodidacta. Em 1977, deixou a Marinha para se dedicar exclusivamente à construção de violinos. Construiu uma dezena até que, em 1979, foi distinguido com a “Bourse de la Vocation”. É nessa altura que conhece Jean Schmitt e Etienne Vatelot, tendo este último feito o convite para que trabalhasse pontualmente no seu atelier.

Foi ainda em 1979 que se tornou assistente de Jean Schmitt, em Lyon, cidade onde, paralelamente, começou a desenvolver pesquisas na área da acústica com E. Leipp (CNRS) e Voichita Bucur.

Em 1982, tornou-se assistente de Etienne Vatelot. Foi uma época de grande felicidade (ou muito gratificante) vivida num atelier por onde passavam os melhores músicos e os mais belos instrumentos do mundo.

Em 1984, instalou-se por conta própria em Morlaix , na Bretanha, e entrou no Groupement des Luthiers et Archetiers d'Art de France. Em 1986, abriu um segundo atelier em Rennes.

Em 1989, insatisfeito com a qualidade dos instrumentos que lhe eram entregues para reparação na pequena cidade de província, decidiu mudar-se para Lisboa com o objectivo de poder trabalhar com instrumentos mais interessantes.

A partir de 1993 atinge a sua meta, quando os Stradivari, Guarneri, Montagnana, Amati, etc, começaram a aparecer no seu atelier. Trabalhou para músicos como Augustin Dumay, Truls Mork, Jian Wang, Maxime Vengerov, Shlomo Mintz, Daniel Muller-Schott, Lynn Harrell.

Desde 1994 ele é responsável da manutenção do violoncelo Stradivari 1725 "Chevillard-King of Portugal".

Em 1997 tornou-se membro da l'Entente Internationale des Maîtres Luthiers.

Convidado como luthier résidente em varios festivais: International Chamber Music Festival Stavanger, (Norway, artistic director Truls Mork), "La Folle Journée" ( Nantes, Lisboa, Tokyo), Joaquin Turina International Chamber Music Festival (Spain), Festa a Musica (Portugal).

Em 2003, abandonou o restauro para se dedicar em exclusivo à construção de violinos, violas de arco e violoncelos, na tentantiva de conseguir recriar alguns dos instrumentos magníficos que lhe passaram pelas mãos, ao longo dos 28 anos que dedicou à reparação.

Em 2004 e convidado a Cremona pelo "Consorzio Liutai Antonio Stradivari" para dar uma master-class sobre a montagem e a afinação de sonoridade aos luthiers dessa cidade.

Solistas como Tedi Papavrami, Alina Pogotskina, Isabelle Van Keulen, Augustin Dumay, Michal Kaňka (Prazak Quartet), Silvia Simionescu, Pavel Gomziakov, Justus Grimm, Liana Gourdjia, Rosemary Warren-Green, Helena Wood, Vladimir Spivakov e Tatiana Samouil tocam instrumentos de Christian Bayon.